Menopausa: sintomas, tratamentos, dicas de como conviver com ela – parte 1

Créditos da foto: http://www.clubedalola.com.br

Olá, mulherada linda! Hoje trago para vocês um assunto que foi muito pedido (para não dizer o mais pedido!) na pesquisa que realizei no final de 2016.  Esse questionário, que disponibilizei nas redes sociais, coletou quatrocentas respostas de mulheres de mais de 40 anos, que me contaram o que gostariam de ler aqui no site. A menopausa, seus sintomas, as dificuldades que nós enfrentamos nessa fase, foi um dos assuntos mais votados. Salvo algumas raríssimas exceções, todas nós sentimos modificações de humor, também na forma de nosso corpo. Sim, engordamos. Não há como negar. Nosso metabolismo fica mais lento com o envelhecimento. Há mulheres que se deprimem, que ficam irritadas, que se sentem menos produtivas, menos capazes. Há mulheres que têm calorões, outras frio…Vamos falar disso tudo?

Antes ainda de começar, importante que seja dito: FAÇAM PELO MENOS UMA VISITA ANUAL AO MÉDICO GINECOLOGISTA. FAÇAM OS EXAMES PREVENTIVOS DE CÂNCER. CUIDEM-SE! TAMBÉM PROCUREM O MÉDICO QUANDO SENTIREM OS PRIMEIROS INCÔMODOS RELACIONADOS AO CLIMATÉRIO.  NOSSO MÉDICO É A PESSOA INDICADA PARA NOS AJUDAR A LIDAR COM O PROCESSO DE MENOPAUSA.

Agora sim, começando, vamos entender exatamente o que significa menopausa e os termos a ela associados. Eu não tinha noção de quanto desconhecia sobre o assunto até parar para fazer essa pesquisa. Impressionante! A gente ouve um pouco daqui, outro dali, e não se preocupa em ir mais a fundo em alguns assuntos. Infelizmente é uma prática constante do ser humano: se sentir satisfeito com poucas informações, como se essas poucas ideias fossem capazes de nos dar um conhecimento profundo sobre o mundo. Em geral, não fazemos por mal. Não há o desejo de mistificar, de criar e espalhar mentiras. Mas há casos que…bem, deixa para lé. Política, religião e briga de marido e mulher, é melhor não meter a colher, como dizia minha avó.

Menopausa é o período após a ultima menstruação da mulher, que não tem data certa para ocorrer. Em geral, se dá entre os 45 e os 55 anos de idade, mas há exceções. Se você ficou um ano em amenorréia (esse é o termo médico utilizado para a falta de menstruação), então está na menopausa. Note que só podemos dizer verdadeiramente que entramos na menopausa depois de transcorrido esse período de tempo. Você teve sua última menstruação em 15 de dezembro de 2016. Logo, em 14 de dezembro de 2017 poderá dizer que está na menopausa e que entrou nela no ano anterior. Sim, a “datação” é retroativa. Precisamos esperar um ano para dizer que entramos na menopausa no ano anterior. Parece esquisito, mas é isso mesmo. E por que paramos de menstruar? Porque nossos ovários envelhecem e acabam os óvulos. Quando nascemos, já trazemos em nossos ovários todos os óvulos que serão liberados durante nossa fase reprodutiva. Parar de menstruar significa que não temos mais óvulos.

Antes de completar um ano sem menstruar, não falamos de menopausa e sim climatério, que representa a passagem da fase reprodutiva para a fase não reprodutiva da mulher. É um período de grandes transformações, físicas e psicológicas. Se estende dos 40, 45 anos, até 65 anos de idade, mais ou menos. Dentro desse grande espaço de tempo irá ocorrer a menopausa.

Créditos da foto: Gineco

Dica:  cuidado! Muitas mulheres engravidam nesse momento inicial do climatério. Se você não quer correr o risco, previna-se devidamente. O que acontece é que algumas moçoilas não menstruam alguns meses, então acham que não estão mais ovulando e se sentem livres para exercer sua sexualidade sem maiores preocupações. Daí voltam a menstruar e…pronto! Nenê a bordo.

Créditos da foto: Literatus

Podemos entrar no climatério aos 42 anos de idade e só parar de menstruar aos 50, por exemplo. Nesse caso, um pouco antes dos 50 (em torno de dois anos antes), antecedendo à menopausa , temos a perimenopausa, momento de transição em que acontecem as maiores modificações físicas e psíquicas.Os sintomas clássicos,  como calorões, insônia, suores noturnos, podem estar presentes, além de ressecamento vaginal, diminuição do desejo sexual, da atenção e da memória…E do que a gente estava falando mesmo? 🙂 As alterações físicas e emocionais dessa fase nos deixam estressadas, irritadas, cansadas. Parece que entramos em uma tpm de longa duração: podemos apresentar dores de cabeça, inchaço, oscilações de humor, irritabilidade, depressão, ansiedade, até 15 dias antes da menstruação, também perda da elasticidade da pele, ressecamento, manchas.

Estou nessa fase e, confesso: é isso mesmo. Caramba! Parece que eu pedi para ter os sintomas do climatério e entrei na fila duas vezes! Isso tudo me representa. Muito. É chato, incomoda, mas é possível viver bem, mesmo com essa agitação toda acontecendo dentro da gente. Há inúmeros procedimentos médicos e tratamentos que podem ser realizados para o alívio de sintomas. Entendam: os sintomas vão aparecendo aos poucos, então aprendemos como lidar com eles gradativamente. Não acontece de irmos dormir felizes da vida e no outro dia…

Amanhecemos molhadas do suor noturno, com inchaços, com a memória prejudicada. Não!  Isso não ocorre. Os sintomas dão o ar de sua graça paulatinamente. Pode ocorrer, eventualmente, de termos dois ou três sintomas juntos e isso não torna a situação menos suportável.

A forma de enfrentarmos os sintomas pode ser bem semelhante a forma de enfrentarmos  uma questão de saúde sem gravidade, daquelas que estamos acostumadas em nosso dia a dia. É como ter que refluxo: você não gosta, é chato, coisa e tal. Porém, toma um remédio meia hora antes do almoço, meia hora antes do jantar e vai levando a vida. Também é como ter um questão estética a ser resolvida, e com isso não estou menosprezando os incômodos que você sente. Quero apenas te dizer que esses sintomas não devem nos deixar mais prostradas do que é devido. Você pode ter o cabelo ressecado, por exemplo. Você não gosta, o ressecamento te incomoda, mas ok. Você desenvolve estratégias para lidar com esse cabelo e toca a vida adiante. Exceção a “regra”: sintomas emocionais. Entendo, e me corrijam se eu estiver errada, que estes são os sintomas que podem dar mais trabalho e merecem que a gente os olhe com mais cuidado. Vamos falar deles em um próximo momento, tá bem? De qualquer forma, se você se sente muito incomodada com os sintomas do climatério, peça ajuda. Fale para seu médico, discuta as possibilidades de tratamento.

Já na pós-menopausa, período em que deixamos de menstruar, temos aumentado o risco de doenças cardiovasculares e de osteoporose, o que torna a etapa delicada. Com cuidados, é possível passar bem pela fase. Observação: há estudos que tendem a acreditar que o risco de doenças cardiovasculares não cresce com a menopausa e sim com a idade. A medida que os anos passam, aumenta nosso risco de doenças associadas ao envelhecimento. Quer ler mais sobre o assunto? Entre no The bmj  ou no Medicina baseada em evidências, que explica o artigo anterior.

Acho importante dizer que apesar de podermos apresentar inúmeros sintomas, é possível passar muito bem por essas transformações. Elas não deixam de ser transformações como tantas outras que passamos na vida. Um dia fomos adolescentes, talvez com espinhas no rosto, talvez mais gordinhas. E lidamos com essas situações. Podem ter sido difíceis (ô, e como são! Eu tive acne na adolescência. Muita, a ponto de ter ficado com o rosto marcado, apesar de ter sido uma adolescente muito disciplinada, cuidadosa.Tive, foi ruim e lidei com isso) mas não morremos por causa delas. Essas transformações adolescentes ajudaram a formar nossa personalidade. Somos o que somos em razão da soma de experiências. Os sintomas da menopausa podem ser difíceis, mas talvez não sejam tão ruins quanto você está imaginando ao ler esse texto todo. É como ler bula de remédio, sabe? Eu nunca faço isso. Sigo as orientações médicas e não leio as bulas, porque nelas a gente vê que pode ter uma série de efeitos colaterais. Daí o ser humaninho já começa a ter todos os “pitís” do mundo, só de ansiedade! Entendeu a comparação? Você pode ter alguns sintomas. Isso não quer dizer que serão tão ruins assim. Ponto.

Vamos recapitular o quer foi visto até o momento?

1.Termos associados à menopausa:

a) Climatério: período que vai dos 40/45 aos 65 anos de idade e que traz consigo alterações físicas e emocionais importantes;

b) Perimenopausa: período de dois anos, mais ou menos, que antecede a última menstruação;

c) Menopausa: data de nossa última menstruação;

d) Pós-menopausa: período do climatério (lembre-se: climatério é um período alongado de tempo, repleto de transformações, que compreende a pré-menopausa,a menopausa e a pós-menopausa) em que já deixamos de menstruar;

2. Sintomas que podem ser apresentados no climatério: dores de cabeça, insônia, depressão, ansiedade, calorões (fogachos), secura vaginal, decréscimo da libido, diminuição da memória e da atenção, inchaço, queda de cabelo, envelhecimento da pele, manchas, ressecamento , osteoporose, aumento do risco cardiovascular. NOTE QUE A LISTA NÃO É EXAUSTIVA E OUTROS SINTOMAS PODEM APARECER. VOCÊ PODE TER UNS E NÃO OUTROS. CADA MULHER É UM CASO DIFERENTE, QUE MERECE ATENÇÃO ESPECIALIZADA.

3. Há tratamento para os sintomas. Eles requerem adaptações. Podemos conviver com os mesmos, perfeitamente.

Continue aqui, lendo sobre tratamentos e cuidados com o corpo e a mente no período do climatério e na menopausa.

Então, é isso. Continue comigo, lendo os demais artigos sobre menopausa. E não só ele! Todas as semanas vão estar recheadas de artigos sobre moda, beleza, saúde…

Mande suas perguntas, me conte o que achou da postagem! E continue lendo sobre menopausa aqui.

Beijos e me ligue!

Fontes:

http://www.gineco.com.br/saude-feminina/menopausa/o-que-emenopausa/

http://www2.uol.com.br/menospausa/mudhorm.htm

https://drauziovarella.com.br/mulher-2/menopausa-aspectos-psicologicos/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um pensamento em “Menopausa: sintomas, tratamentos, dicas de como conviver com ela – parte 1”

WhatsApp chat