Checklist da empreendedora

Você decidiu empreender e eu estou muito feliz com isso! Empreender faz muito bem para as pessoas. Muuuito bem! Você não imagina o quanto. A gente sai de casa, para começar. Mesmo que você empreenda no seu quintal, na sua cozinha, metaforicamente estará saindo de casa. É da questão emocional que estou falando. Empreender te tira da zona de conforto, então mesmo que seu empreendimento esteja em sua casa, é como se você estivesse saindo para trabalhar. Você “está no escritório” quando trabalha, e isso já faz uma grande diferença em sua vida. Acredite. Eu já vivi isso.

Depois tem a questão de exercitar nossas potencialidades, nossas habilidades. É a melhor coisa do  mundo quando estamos fazendo algo para o qual somos feitas, talhadas. Usar nossas capacidades faz com que a gente entre em um estado chamado de flow. Flow é aquele momento em que você está tão absorta no que está fazendo que nem vê o tempo passar. É quando você está gostando tanto do momento, está tão satisfeita, que entra em um estado de fluidez, onde nada mais é notado. O barulho não te incomoda, você igualmente não percebe a fome, nem o cansaço. Você simplesmente vai, porque está muito bom fazer aquilo. Você pode estar experimentando várias receitas novas, ou fazendo cálculos complexos, ou pintando um quadro, ou ainda trabalhando em um novo projeto de sua empresa de prestação de serviços hidráulicos. Não importa a atividade. Flow é uma delícia e só entra nesse estado quem se dedica a algo muito bom.

Há também uma questão interessante relacionada ao empreender: a gente passa a conhecer mais pessoas, a formar novas relações, a ampliar nossos horizontes. Nós aprendemos muito empreendendo. Conhecer novos pontos de vista amplia nossa visão e alarga nossos horizontes. Conhecer novas pessoas nos torna mais sábias. Veja a minha experiência e pense no que será a sua: desde que eu comecei a empreender, conheci gente que trabalha com TI, gente que trabalha com marketing, coaches de diversas áreas, mulheres que trabalham com bem-estar (professoras de yoga, personal trainers, nutricionistas, profissionais do Reiki, PNL e muitas outras), grandes executivas, pessoas que estão buscando seus sonhos, gente magra, gente acima do peso, gente que sofre, gente que ri, casadas, solteiras, com ou sem filhos…Enfim, é um universo gigante de mulheres e homens com os quais aprendi, e aprendo, diariamente. E você vai viver tudo isso a partir de agora. Por isso, também, te parabenizo. Vai que é tua! Aproveite tudo que você puder.

E para te ajudar, deixo aqui um checklist de coisas que você precisa saber – e começar a fazer – para empreender. Imprima e dê o seu ok no lado de cada item.

  • Entenda-se. O autoconhecimento é fundamental para empreender. Quais são suas habilidades? E mais: suas habilidades te fazem feliz? Porque uma coisa é habilidade, outra é o que você gosta de fazer, outra coisa é aliar as duas. Eu gosto de matemática, mas não me vejo sentada em uma mesa o dia inteiro fazendo cálculos. Eu tenho habilidade para o desenho, mas não curto muito não. Eu tenho habilidade e gosto de escrever. Muito. Muuuuito. Os dois. Então, não vejo o tempo passar quando escrevo uma postagem, um email para você, quando escrevo meu romance (ahã, estou escrevendo. Um dia lanço essa coisa linda!). Para empreender com propósito, essa etapa é fundamental;
  • Saiba quem é seu público-alvo. Mulheres é algo muito amplo, porque mulheres de 18 e de 65 tem interesses muito diversos, por exemplo. Se você não diminuir esse público ao máximo, sua comunicação será muito difícil;
  • Você precisa saber as dores que seu produto/serviço ajuda a sanar. O ser humano se move pela dor ou pelo prazer. Mais pela dor do que pelo prazer. Muito mais. Entenda isso: as pessoas não compram um produto com x características. Elas compram o que esse produto faz por elas. Um consumidor não quer saber como é o treino do personal trainer. Ele quer é saber se irá emagrecer, adquirir mais disposição, mais energia. Ele quer saber se através do treino verá suas medidas diminuirem e terá um incremento em sua autoestima. Ele quer deixar de se sentir feio, sem fôlego, podendo dobrar a barriga para amarrar os tênis sem ofegar. É isso que você irá vender. As características do treino só importarão muito depois, quando a venda de seu serviço já estiver em um estágio bem avançado;
  • Domine técnicas de vendas e isso inclui o marketing digital. Procure se aprimorar com quem entende disso, com quem já trilhou o caminho que você começa a percorrer. Busque os mestres;
  • Não ache que empreender é abrir uma portinha para vender algo. Há muito que aprender, sempre. Faça cursos, tenha uma coach, aprimore-se. Tenha humildade e não ache que você está pronta. Nós vamos empreendendo e aprendendo. O mercado é muito dinâmico e tudo muda a todo instante. Se você não se aprimorar, fechará as portas em seguida;
  • Tenha ideia de seus custos. Números são importantes, medições são importantes. Saiba o quanto você irá gastar, porque seus custos podem te levar à falência.
  • Tenha um capital de giro. Mas o que é isso????? Dinheiro para iniciar o negócio e se manter enquanto não começa a ter lucro. Você tem R$20,00 para começar, então vai aplicar esse dinheiro comprando os ingredientes para fazer um bolo. Se gastar tudo, não terá dinheiro para fazer outro bolo, com outros ingredientes, caso o primeiro não venda. Se você vender poucas fatias do primeiro bolo, não terá dinheiro para continuar seu negócio;
  • Sonhe grande, mas comece pequena. Não coloque todo o seu dinheiro em um mega empreendimento que você acha que pode dar certo. Não entre em bancos no primeiro mês de funcionamento de sua empresa. Você quer ter uma confeitaria? Ótimo. Não é necessário que você coloque piso de mármore e fachada desenhada pelo artista da moda. Faça o simples, depois amplie. A coisa muda se você pretende atingir o segmento luxo. Maaaas, você tem dinheiro para abrir um negócio que atenda esse público específico? Sim? E conhece esse público? Sabe de seus gostos, como se porta? Sim? Então ótimo. Não? Porque está arriscando seu dinheiro assim? Comece pequena e torne-se gigante;
  • Legalize o seu negócio. A informalidade não vai deixar que você evolua. Para comprar de bons fornecedores você precisará de seu registro. Para vender, você precisará de nota fiscal. Sim, você gastará com contador, com formação dessa empresa, com mil coisas. Mas, é preciso. Não se fala em empreender sem essas questões;
  • Valorize seu cliente. Não entregue um serviço/produto “meia boca”. Ficou de entregar em 24 horas o que prometeu? Entregue, nem que tenha que passar a noite em claro. Prometeu, então cumpra. E mande um agrado junto. Clientes adoram ser mimados e, se o forem, terão as melhores lembranças de sua empresa. E, adivinhe? Voltarão. Cliente satisfeito é cliente cativo;
  • Escolha muito bem seus parceiros e colaboradores. Escolha aqueles que tem o seu jeito, sua “vibe”. E saiba: nunca, mas nunca mesmo, desvalorize um ou outro. Pessoas crescem juntas. Pessoas valorizadas são pessoas felizes;
  • Não desanime. Persevere. Muitas coisas irão acontecer durante sua caminhada. Pessoas te dirão que você está errada, cliente que não tem razão irá tentar te desmoralizar, as vezes poderá ser difícil vender…Tudo isso faz parte da vida empreendedora. Continue com vontade de vencer, continue acreditando em sua ideia.

E agora? Agora é contigo! Vai lá e faz!

Com carinho,

 

Cláudia Mester

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

WhatsApp chat